https://www.viagrageneriquefr24.com/acheter-viagra-kamagra/
User Login Register Regain password
Please waiting ...

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO

I. A PROMOÇÃO : A Promoção faça sua matrícula e concorra a prêmios incríveis , está
sendo promovida pelo Grupo Alda .
Estão incluídos nessa promoção todos os serviços das unidades abaixo mencionadas :
 - Centro de Formação de Condutores Alda
 - Alda Fácil
 - Centro de Formação de Condutores Unidos – Unidade Diadema
 - Centro de Formação de Condutores Ester
 - Centro de Formação de Condutores Unidos – Unidade Mauá
 - Centro de Formação de Condutores CIDETRAN
II. PERÍODO DE VIGÊNCIA : Esta promoção será válida de 01/02/2019 a 30/04/2019 .
III. O SORTEIO : O sorteio será dia 02/05/2019 no CFC Alda - Unidade Diadema , o
mesmo será feito por uma transmissão ao vivo no Facebook . Todas as urnas foram
lacradas , os lacres serão rompidos no dia do sorteio e juntaremos todos os cupons
para ser realizar o sorteio .
IV. PRÊMIOS : Serão sorteados 3 ( três ) prêmios sendo eles :
1º PRÊMIO - TV 32
2º PRÊMIO - SMARTPHONE
3º PRÊMIO - BICICLETA
V. ENTREGA DOS PRÊMIOS : Os prêmios deverão ser retirados até 7 dias após o sorteio ,
e não será entregue a terceiros , somente poderá ser retirado pelo ganhador .
VI. DISPOSIÇÕES GERAIS : Cada cliente poderá preencher mais de um cupom , caso feche
outro serviço em uma unidade diferente .
Só participarão do sorteio os clientes que efetuaram o pagamento do serviço .

Enquete: por que você usa o farol baixo durante o dia em rodovias?

Uma das alterações na legislação de trânsito que mais causou transtorno em 2016 foi a obrigatoriedade do uso do farol baixo durante o dia em rodovias. Além de muitos não aceitarem a norma, por não ver finalidade nela, outros não entenderam onde utilizá-la. A confusão está em entender quais trechos fazem parte de rodovias, principalmente aqueles que ficam em perímetro urbano.

Desde julho de 2016 é obrigatório, em todo território nacional, o uso de farol baixo durante o dia em rodovias por todos os tipos de veículos. Até então, essa era apenas uma recomendação (para os automóveis) que estava na Res.18/98 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).  O descumprimento da norma é considerado infração média, com multa de R$ 130,16 e quatro pontos na carteira de habilitação.

Para responder clique aqui

Trânsito brasileiro é o quarto mais violento na América

Trânsito brasileiro é o quarto mais violento na América

Dados divulgados no dia 19/05 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o Brasil é, atualmente, o quarto país com mais mortes no trânsito na América. Os primeiros lugares são ocupados por Venezuela, República Dominicana e Belize.

O trânsito brasileiro apresenta uma taxa de 23,4 mortes por 100 mil habitantes. A Venezuela, campeã nesse triste quadro, mostra uma taxa de 45, 1 mortes por 100 mil habitantes. A título de comparação, a Europa tem uma média de 10,3 mortes por 100 mil habitantes.

Segundo a OMS, nos países emergentes, as principais causas que determinam esses números são: leis e fiscalização ineficientes, falta de infraestrutura viária e aumento da frota de veículos. De acordo com o estudo, o trânsito é a oitava causa de morte no mundo e a primeiro na faixa etária entre 19 e 29 anos. “Existem diferenças nas normas e leis de segurança entre os países, o que contribui com a desigualdade no que se diz respeito à segurança viária”, explica Eliane Pietsak, pedagoga e especialista em trânsito.

Ainda de acordo com o estudo, estima-se que até 2030 o número de mortos nas estradas em todo o mundo pode chegar a 1 milhão por ano.

Arranhei meu carro

Resultado de imagem para carro arranhado

Arranhei meu carro. Um arranhão bobo, nada muito sério, em um sinalizador horizontal de posto de gasolina, em uma bela manhã de sol. Mas, em se tratando de distração, nada deixa de ser sério, pois em vez de um sinalizador, poderia muito bem ter sido o joelho de um transeunte.

Onde foi que eu errei?
Em três pontos básicos que, como consultor da Fenasdetran, deveria já saber de cor:

•     Tão perigoso como o álcool, são os medicamentos que prejudicam o estado dealerta: nessa manhã, eu estava ainda sob o efeito de fortes medicamentos descongestionantes para a gripe, que deixam o sujeito um pouco zonzo. Claro que esses medicamentos sempre trazem o alerta de evitar o uso de equipamentos. Alguém lê e leva a sério? Nem eu levei.
•     Com uma menor percepção de risco, nos expomos mais ao mesmo: manhã de sol, praticamente apenas eu no posto de gasolina, sensor de aproximação de ré, câmera de ré. Com tanta segurança, para que se preocupar? Justamente pela sensação de segurança, o indivíduo é levado a compensar uma maior exposição ao risco, ou menor preocupação com o ele, como coloca o pesquisador canadense Gerald Wilde, em sua obra Target Risk, e o escritor Tom Vanderbilt, em seu livro "Por que dirigimos assim?".
•     Síndrome do Comandante do Titanic: com mais de duas décadas de experiência ao volante, por que eu iria me preocupar com uma simples manobra de ré, em um posto de gasolina, em uma manhã de sol? A questão da idade vai ao encontro de recente matéria da Folha de São Paulo, com novos dados de Vanderbilt, acerca do perfil de quem bate o carro: 

"Os estatísticos descobriram, porém, que um homem dirigindo sozinho tem uma chance maior de se acidentar do que com uma mulher no banco de passageiros. Ninguém sabe direito o motivo. Uma hipótese é que ele seja mais cuidadoso porque quer protegê-la. A outra, talvez mais provável, é que a mulher incomoda tanto o sujeito com gritos de "cuidado!" que ele se rende ou para o carro e manda ela descer, em um cenário mais raro. Esse fenômeno é tão sério que o Exército israelense resolveu treinar soldados do sexo feminino para atuar, nas palavras deles, como "tranquilizadoras" dos soldados homens em deslocamento e evitar mortes nã

PORTAL DÁ DICAS DE COMO ULTRAPASSAR UM CICLISTA COM SEGURANÇA

O Brasil possui atualmente uma frota de quase 90 milhões de veículos. Dentre automóveis, caminhões e motocicletas, o uso da bicicleta tem aumentado consideravelmente, e em consequência, o número de acidentes envolvendo ciclistas também. Em São Paulo, por exemplo, houve um aumento de 34,3% no número de ciclistas mortos em acidentes de trânsito no ano de 2014.  Em Curitiba, apenas no mês de abril de 2015, foram oito casos de morte de ciclistas em acidentes nas ruas da capital paranaense.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, os veículos de maior porte são responsáveis pela segurança dos não motorizados. No dia a dia do trânsito, porém, a realidade não é bem assim. Existe uma espécie de competição: condutores de veículos de menor porte têm a vantagem da agilidade, enquanto motoristas de ônibus e caminhões se impõem pelo tamanho dos veículos.

As bicicletas, bem como quaisquer veículos não motorizados, são frágeis e vulneráveis, por isso o cuidado deve ser redobrado. Além disso, eles têm preferência sobre os demais veículos automotores, mas nem por isso devem desrespeitar as leis e a sinalização. “Todos os cidadãos têm direitos e deveres no trânsito. Por isso devemos cumprir as regras e respeitar os demais usuários”, explica Celso Alves Mariano, especialista em trânsito e diretor do Portal.

De acordo com o especialista, os motoristas ainda não se acostumaram com a presença dos ciclistas nas ruas e diante desse conflito, é previsível qual o lado que sai perdendo. “Os ciclistas são usuários mais frágeis no trânsito, qualquer queda pode ser fatal. É preciso que os condutores comecem a levar em consideração a presença dos ciclistas colocando em prática a direção defensiva e respeitando as normas de legislação”, diz Mariano. Por esse motivo, o Portal lista algumas dicas de como ultrapassar um ciclista com segurança no trânsito.

1,5 m de distância

A regra fundamental para os motoristas e motociclistas, segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), é respeitar a distância lateral de 1,5m ao ultrapassar ciclistas, além disso, dar a preferência e facilitar a passagem em cruzamentos e conversões. “O condutor deve estar sempre atento aos retrovisores, com especial atenção aos pontos cegos”, destaca o especialista.

Bom senso

Não há como descer do veículo e medir, com uma régua, a distância correta de 1,5m que distancia o carro da bicicleta. Por esse motivo, o bom senso ainda é o melhor método, pois instintivamente todos sabem quando estão próximos demais de uma bicicleta ou de qualquer outro veículo, sem ainda desconsiderar a combinação dos fatores para aquela determinada situação.

Dirigir perto demais da bicicleta é caracterizado como um ato imprudente, pois não é preciso acontecer o choque para colocar em risco a vida do ciclista, até mesmo as “finas” que são tiradas são capazes de produzir grandes tragédias. Portanto, o condutor deve ser previdente e cuidadoso.

Não dirigir com pressa ou estressado

Dirigir com pressa, atrasado ou estressado favorece o acontecimento de incidentes no trânsito. Além disso, pode afetar o comportamento do condutor. Por exemplo, o indivíduo que apresenta características de irritabilidade, quando estiver estressado certamente irá piorar seu comportamento, tornando-se agressivo ou hostil e provocando acidentes.

As pressões e tensões extras que o trânsito proporciona podem funcionar como a gota d´água, alterando padrões de comportamento do condutor, fazendo-o criar situações de risco e insegurança, para si e para os demais usuários.

Se colocar no lugar do ciclista

No cotidiano do trânsito é inevitável que surjam conflitos, porque cada pessoa tem necessidades e objetivos diferentes. Condutores de automóveis têm necessidades e objetivos diferentes dos de motoristas de Transporte Escolar, motociclistas, ciclistas, etc.

Além disso, os papéis que são assumidos no trânsito não são fixos. Quando o cidadão está dirigindo, muitas vezes desrespeita o espaço do ciclista, sem levar em conta sua fragilidade. Quando larga a armadura que o veículo proporciona e pega uma bicicleta, volta a sentir na pele a fragilidade do ciclista: reclama, disputa espaço e entra em conflito com motoristas. Apesar disso, depois que retoma o papel de motorista, rapidamente volta a desrespeitar os ciclistas.

Este exemplo ilustra bem a dificuldade de um se colocar no lugar do outro, mas esta á a única maneira de se entender e respeitar necessidades e direitos dos demais.

Respeito e integração

Por ser um dos valores mais importantes, o respeito é a viga mestre dos relacionamentos. Várias são as atitudes que bem caracterizam as pessoas respeitosas: respeito pelo direito dos outros, pelas diferenças individuais, pela diversidade de opiniões, pelo ambiente e até por si próprio.

“Respeitar a distância de 1,5m e os demais direitos do ciclista mostra a ele que o motorista o respeita, e o aceita como parte integrante do todo, reconhecendo

More Articles...

JoomShaper